Blog do Everton Araújo
Aprenda sobre Reprogramação Biológica® e Constelação Familiar

Como não passar traumas para os nossos filhos

Você sabia que é possível Um dos grandes medos que, nós pais vivemos, é o medo de passarmos os nossos traumas para os nossos filhos. Na história de muitos de nós há perdas, separações dolorosas, abusos, violência, dentre outros.

Neste post eu irei passar para vocês alguns conceitos do método da Constelação familiar. Clique aqui para entender os principais conceitos deste método.

Essa leitura pode lhe ajudar a compreender e liberar nossos traumas para que nossos filhos não repitam nosso padrão doloroso.

PERTENCIMENTO

Tudo que excluímos tendemos a atrair pois todos temos um desejo de pertencimento. Independente se você acredita ou não nessa lei universal, não importa. Ela é como a gravidade: ela age sobre você mesmo se você não acreditar nela. 

Aqui, quando se trata de pais e filhos as consequências geralmente são dolorosas pois não queremos passar dor aos nossos filhos

Vamos aos exemplos:

  1. Abortos no sistema (provocados ou não) – Filhos com TDAH, filhos com problema de fertilidade
  2. Você que exclui e/ou julga a própria mãe – Filho com dificuldade de prosperar na vida
  3. Você que esconde um assassinato, um atropelamento (algo que tenha tirado a vida de alguém mesmo que por acidente) – Filhos que apresentam dinâmicas de morte como alta velocidade, depressão, perfil suicida

RESOLUÇÕES: A compensação aqui está na inclusão. Saber quem está sendo lançado para fora do sistema familiar e realizar a inclusão, portanto, a busca dos pais está em descobrir e incluir quem está sendo excluído do sistema familiar (ou qual é o segredo guardado)

ORDEM

As coisas fluem de maneira mais leve quando a ordem é respeitada. Por outro lado, quando existe uma quebra de ordem, as coisas começam a desandar. Costumamos dizer que a quebra de ordem é o primeiro passo para o fracasso.

Nós temos duas formas de quebrar a ordem – pela Dor e pelo Amor.

A quebra de ordem pela Dor é aquela que acontece quando eu não concordo com o “destino” do meu ancestral. Quando eu digo “NÃO”, quando eu quero mudar aquele que veio antes de mim. Sem me dar conta de que, talvez, se ele fosse diferente, suas escolhas também seriam e, possivelmente, eu não estaria aqui.

Já pelo Amor acontece não quando eu quero salvar o outro… Como se disséssemos internamente “Deixa que eu carrego isso por você…”. De acordo com essa lei, os menores não devem fazer pelos maiores, a não ser que lhes seja pedido ajuda.

Embora as duas maneiras tenham motivações diferentes, o resultado é o mesmo: Fracasso. Isso pode ocorrer de maneira sutil, em uma área ou outra da vida ou ainda de maneira devastadora, afetando a vida em todas as áreas. Por que isso acontece? Imagine que todos nós, simbolicamente, carregamos um fardo de tamanho proporcional ao nosso na hierarquia. Quando quebramos a ordem, é como se tentássemos carregar o fardo do outro por ele.

Alguns fazem isso com uma postura interna parecida com “Aprende comigo… Eu vou mostrar como faz…”, enquanto outros fazem isso dizendo “deixa que eu te ajudo com isso… parece que está pesado… mas se nós dois trabalharmos nisso, talvez consigamos resolver mais rápido…”

  1. Filhos que fracassam
  2. Aqueles filhos que não conseguem sair da casa dos pais
  3. Filhos que tentam se colocar acima dos pais

RESOLUÇÕES: Saber se colocar exatamente no seu lugar é o ponto mais importante aqui. Pense que nossos filhos vão tentar “se encaixar” em cada “buraco” que tivermos dentro de nós. Seja no amor ou seja na dor. 

EQUILÍBRIO DE TROCA

Essa lei diz que deve existir um equilíbrio em todas as nossas relações: Amorosas, familiares, profissionais, sociais… Isso significa que um dá e, quando possível, o outro retribui.

Existem várias dinâmicas aqui porém eu quero focar em duas que talvez sejam as mais importantes ao meu ver.

1a DINÂMICA – Nossos pais nos deram a vida e esse é o bem mais precioso que podemos carregar. Seja qual for a circunstância que nós viemos parar neste mundo, a vida é o que temos de maior valor. 

Entendendo isso, prestem atenção na seguinte frase: A ÚNICA RELAÇÃO QUE NÃO SERÁ COMPENSADA É A DE FILHOS EM RELAÇÃO AOS PAIS.

Sistemicamente não tem como equilibrarmos essa relação. Sempre estaremos em débito com os nossos pais. Por isso, aqui vem um outro conceito sistêmico muito forte: NÓS ADULTOS NÃO PRECISAMOS DO AMOR DOS NOSSOS FILHOS. SÃO ELES QUE PRECISAM DO NOSSO AMOR.

O grande emaranhado aqui é quando o adulto não está curado das suas feridas infantis e deseja do filho o amor que ele não teve na infância. Isso fica absurdamente desequilibrado para o filho uma vez que ele já tenta compensar essa relação por toda a vida. Chega o pai ou a mãe e ainda espera mais desse filho… aí ferrou! 

2a DINÂMICA – Pais que tem em seus filhos os seus melhores amigos podem transmitir a eles os seus traumas.

Nós na posição de filhos não temos a condição de entender que nossos nos contam os seus mais profundos segredos porque são nossos amigos. Nós na posição de filhos vamos buscar amenizar a dor dos nossos pais e aqui a relação também desequilibra bastante.

  1. Filhos inseguros e que não conseguem fazer nada sozinhos
  2. Aqueles filhos que não conseguem deixar de ir um final de semana na casa dos pais mesmo quando não querem
  3. Filhos que tentam seguir a vida para a frente mas ficam ligados aos pais, como se estivessem olhando somente no retrovisor do carro

RESOLUÇÕES: Pais, olhem para a sua criança interior e acolha. Preencha este lugar de vazio com o que lhe faltou e não com o seu filho. A vida se faz para frente. Tampem seus buracos para que seus filhos não venham inconscientemente tentar tampá-los.

Procure um clã de amigos, de amizade, de vida individual sem depender dos seus filhos. Quanto mais vocês puxarem seus filhos para serem seus amigos, mais eles tendem a patinar na vida. 

Gostou do texto? Compartilhe com seus amigos! Ajude as pessoas a saberem como liberar os próprios traumas em relação aos seus filhos

Até mais!

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Everton Araújo - Especialista em Reprogramação Biológica® e Constelação Familiar

Everton Araújo

Especialista em Reprogramação Biológica® e Constelação Familiar

Everton Araújo tem 31 anos, é casado e é pai orgulhoso da Clara. Fisioterapeuta de formação, é especialista em Reprogramação Biológica® e Constelação Familiar.

Rolar para cima